Menu >> Início | Quem somos | Catálogo | Comprar | Download de textos | Notícias | Contato

Título: La Guerra de la Triple Alianza. Vol. I
Assunto: História da América do Sul, Guerra da Triple Aliança
Autor: Thomas Whigham
Formato: 15x24
Número de páginas: 489
Editora: Taurus 2010
ISBN: 9789995390730
Compre no Brasil / Compre fora do Brasil

Título: Introdução

Título: Os axiomas sobre a natureza da guerra são tão antigos quanto a própria guerra. Tucídides disse que os homens vão à guerra por uma das três razões: medo, interesse ou honra. Séculos mais tarde, Carl von Clausewitz argumentou que a guerra é a continuação da política feita por outros meios, enquanto William Tecumseh Sherman sentenciava de que a guerra é "nada mais que o inferno”. Nenhum deles tinha em mente o Paraguai, mas suas lições em Siracusa, Austerlitz e Kennesaw Mountain também são aplicáveis a esta república sul-americana e seus vizinhos entre 1864-1870. A guerra pode insuflar nova vida em sistemas políticos moribundos, pode empurrar figuras humildes para posições de destaque, pode redefinir as nações, mas também mata extensa e indiscriminadamente, geralmente sem distinção entre inocentes e culpáveis, deixando rastro de devastação. A Guerra do Paraguai ou da Tríplice Aliança, em todos estes aspectos, não foi diferente de todos os conflitos que a precederam.
Título: A melhor explicação para as origens e a gestação da guerra reside no pequeno âmbito de ambições políticas e em como estas ambições foram expressas na construção das novas nações. Significativamente, o Paraguai era a única "nação" ou "quase-nação" na região, baseada em tradições estreitas de paternalismo e da solidariedade comunitária, dentro de um ambiente cultural único. Esse ambiente era, de certa forma, mais índio do que espanhol em seu caráter. Fornecia aos paraguaios seu próprio idioma, o guarani, e uma identidade que aparecia em termos gerais, como "nacional" durante a era colonial.
Título: A "Argentina" era essencialmente uma cidade de Buenos Aires com a cultura política tipicamente urbana e uma élite supostamente "liberal” e modernizadora que buscava projetar a sua imagem da nação para o interior do pais atrasado e recalcitrante. As pessoas do interior tinham pouca afeição para com os portenhos, como eles chamavam os habitantes de Buenos Aires, e certamente nenhum interesse em viver à sua sombra. Para que os provincianos aceitassem uma Argentina unida sob regras portenhas, precisavam conceber a si mesmos como "argentinos". Eles não tinham preparação para essa perspectiva histórica e encontravam dificuldades para adotá-la. Ao contrário do povo do Paraguai, os argentinos precisavam que a identidade nacional fosse criada para eles.
Título: O Brasil era um país enorme com divisões sociais complexas. Em termos culturais, o norte e nordeste eram muito diferentes das cidades de Rio de Janeiro e São Paulo, bem como das grandes planícies do Rio Grande do Sul. É verdade que o idioma português e um corpus de tradições compartilhado do Velho Mundo mantinham Brasil unido em torno de certas usanças. Algumas regiões seguiam essas tradições mais do que outras, no entanto, um grupo social – os escravos africanos – adaptava-se a esse contexto cultural somente por meio da coerção. Quanto à língua portuguesa, variedades carioca, paulista, gaúcha e sertaneja, embora mutuamente inteligíveis, diferiam substancialmente em vocabulário e pronúncia. E, acima de tudo, as províncias do novo Império brasileiro sofriam um isolamento agudo, uma circunstância que era tão desestabilizadora como inevitável. A "nação" brasileira refletia os interesses da élite composta por grandes comerciantes, burocratas, fazendeiros e agricultores, pessoas de boa posição que se casavam entre si.
Título: La luta sobre as especificidades de nacionalidade era óbvia no Uruguai. A Banda Oriental, como era comumente chamado, tinha testemunhado uma grande competição entre espanhóis e portugueses durante o período colonial. Mesmo depois de conquistar a independência, a intervenção estrangeira e as brigas partidárias entre colorados e brancos mantinham o Uruguai, até meados de 1860, à beira do caos. Sob essas circunstâncias, as pessoas não podiam decidir qual modelo de nacionalidade escolher. É aqui que a tragédia teve sua raiz, que espalhou-se à toda a região.

Título: Sumário
Título:
Título: I. Los albores de la nacionalidad

1. Ambientes y sociedad
2. El ascenso de la política
3. Guerra y construcción nacional
o:
Título: II. Vecinos problemáticos
4. Paraguay frente al Imperio
5. Las disputas en las Misiones y el Chaco
6. El embrollo uruguayo
o:
Título: III. Comienza la guerra
7. Prepación militar
8. La campaña de Mato Grosso
9. Nuetralidad puesta a prueba
o:
Título: IV. La ofensiva paraguaya
10. Corrientes bajo fuego
11. La batalla del Riachuelo
12. La marcha a Rio Grande

Título: V. Cambia la marea
13. Traspiés en el sur
14. El sitio de Uruguaiana
15. Retirada a Paso de la Patria
o:
Título: Bibliografía

Thomas Whigham

A guerra da Triple Alianza. Vol. I. Causas e inícios do maior conflito bélico da América do Sul

Português | Español | English
R$ 223,00