Menu >> Início | Quem somos | Catálogo | Comprar | Download de textos | Notícias | Contato

Título: Mundo Guaraní
Assunto: Cultura guarani, etnografia, linguística, missões jesuíticas
Autores: Bartomeu Melià
Formato: 18x24
Número de páginas: 368
Editora: Servilibro/Adriana Almada 2011
ISBN: 9789995303273
Compre no Brasil / Compre fora do Brasil

Bartomeu Melià

Mundo Guaraní

Título:Bartomeu Melià:
Título:Agradeço a quem começou a dialogar com a primeira edição deste Mundo Guaraní desde o final de 2006. A organizadora, Adriana Almada, insistiu – e lhe agradeço muito por isto – que eu recordasse e vasculhasse materiais fotográficos de um tempo que foi o mais feliz da minha vida, a saber, quando pude estar perto das comunidades indígenas e participar em suas longas noites de canto e dança.Título: Lo Títul
Título: Há fotografias e ilustrações provenientes de pessoas que também participaram atenciosamente deste mundo guarani e o registraram com autenticidade e arte. São palavras-imagens guardadas no arquivo da amizade ou que nos voltam rapidamente quando ficaram deslembradas. Não queria esquecer ninguém: Fernando Allen, Annick Bienvenu, José María Blanch, Miguel Chase-Sardi(+), Arístides Escobar, Anastasio Kohmann, Justo Meza, Tamara Migelson, Luigi Miraglia(+), Christine Münzel, Rocío Ortega, Egon Schaden(+), Milda Rivarola, CAV-Museo del Barro y Museo Etnográfico Andrés Barbero.
Título:Esta edição é realmente nova. As ilustrações conferiram ao livro um novo significado. Esta nova linguagem mistura-se com a da letra escrita e produz uma espécie de terceiro texto com uma mensagem diferente.Título: Lo Títul
Título:Poderia parecer que o segundo bloco de ilustrações, ligado ao mundo dos Aché, não se referisse diretamente a nenhuma parte do texto. No entanto, ele mostra – por meio de testemunhos das perseguições, capturas e mortes desse povo livre, ocorridas na segunda metade do século XX – a crueldade e o absurdo da “civilização” colonial que não só não denuncia nem condena essa prática, mas até mesmo justifica o genocídio. Até hoje está se dizendo: “Já não se pode mais limpar a selva nem matar um índio”.(p. 16-7)tulo: Lo Títul

Título:
Título:Dionisio Borda:
Título:A reedição desta obra de Bartomeu Melià é tão conveniente porque é a síntese do trabalho fecundo – mais de 50 anos – do maior especialista no mundo guarani. A partir de onde fala o autor, o que busca recolocar e para que nos interpela?Tít
TítuloMelià busca falar dos Guarani a partir dos Guarani, como membro dessa comunidade na qual foi aceito. Sua brilhante erudição e sua competência acadêmica não devem nos levar a perder o fundo deste projeto. Trata-se de fazer história a partir do olhar guarani, mas história séria. Não meros relatos do passado, mas uma trajetória com futuro. Melià busca também falar à pessoa não Guarani a partir do ponto de vista guarani.
Título:E não se trata de uma visão dos vencidos, e menos ainda de uma elegia rezada sobre os despojos de uma cultura condenada, mas – e sobretudo – do desdobramento do valor que a especificidade guarani do Paraguai tem como um projeto de ser humano, de teko, de especificidade cultural. Para ele, a chave é a língua, que ela mesma nos fala. A visão da língua defendida por Melià não é ingênua, é mais ampla. A língua não é um simples meio de informação, mas de existência, uma forma de vida, um modo de produção de sentido. A língua é forma de vida, de economia, de sociedade, de política e de história.l Título: Lo Títul
Título:Quando Melià fala de colonialismo, ele está interessado nos fenômenos de longo prazo, e nos mais nocivos, porque se reproduzem de uma geração para a outra: encobrimento, substituição e transformação. O assim chamado descobrimento foi um encobrimento da cultura entre os novos vizinhos, entre os colonizados e os colonizadores. As substituições se deram sem diálogo, respeito ou reconhecimento. A mudança do sentido de palavras como Jopói, Tepy, Karai, Ruvicha, Kuatia não tem a ver com uma mestiçagem biológica, mas com a criação de novas formas de sociedade, nas quais os alfabetizados, os urbanos, os eficientes, os laboriosos, os civilizados, os justos não eram os colonizadores de modo privilegiado, mas, muito ao contrário, os colonizados.
Título:A história da cultura guarani costuma ser identificada com a ideia da mestiçagem, do bilinguismo e do anacronismo. No entanto, os processos são mais complexos e contraditórios, estão inacabados e pendentes. O conflito e a destruição continuam, junto com a colonização. Nem chegaram os povos nativos ao seu fim nem assimilamos sua cultura ou a reconhecemos. Por isso, também nos desconhecemos. As culturas paraguaia, brasileira e argentina não são sustentáveis se não reconhecem os processos conformadores e deformadores de nossa identidade. Continua o desflorestamento da língua assim como o da selva, e está-se destruindo a coletividade assim como a terra. As economias da igualdade, da reciprocidade e da inclusão são substituídas por economias sem igualdade, com depredação e exclusão. Temos que nos descolonizar, cancelar as praticas que repetem de forma compulsiva esses processos formativos iniciados na colônia e substituir aquela obsessão colonial por uma abertura à cultura guarani que continua sendo negada.
Título:Melià não fala como político, mas como historiador da cultura, como escritor de etno-história e como seu protagonista. Um pouco como profeta ou chamán (xamã), no sentido original e guarani da palavra. Sua pergunta ou proposta poderia ser desdobrada assim: Para que buscar ou inventar utopias que nos permitem ler o passado, para que inventar sonhos que nos permitem conviver no presente, quando o futuro, isto é, o horizonte de um advir possível, compartilhado e convivido, é parte desta comunidade guarani? O que hoje chamaríamos igualdade, abundância e sustentabilidade já eram os Guarani. Já o eram naquele tempo e evolucionaram. Eles têm o potencial máximo de continuar a fazê-lo, justamente a partir de nós mesmos. (p. 11-15)

tulo Sumário
Título:
tulo Parte 1
Título: Bibliografía de bibliografías
Título: 1. Mundo guaraní: visión antropológica
Título: Título: 1.1 Los Guaraníes vistos por los otros
Título: Título: 1.2 Aspectos particulares del mundo guaraní
Título: 2. Etnohistoria: hacia una historia guaraní
Título: Título: 2.1 Antropología en la historia
Título: Título: 2.2 Del Guaraní de la historia a la historia del Guaraní
Título: 3. Lengua con historia
Título: Título: 3.1 Hacia el guaraní paraguayo
Título: Título: 3.2 Bilingüismo y política de lenguas
Título: Título: 3.3 Escritura y literatura
Título:
tulo: Parte 2
Título: T1. Una colonia inacabada
Título: Título: 1.1 Destrucción
Título: Título: 1.2 Encubrimiento
Título: Título: 1.3 Sustitución
Título: Título: 1.4 Transformación
Título: Título: 1.5 Creación
Título:

Título: 2. El colonialismo paraguayo a partir del siglo XVI
Título: Título: 2.1 Alianza y mestizaje
Título: Título: 2.2 Jopói ha tepy: Reciprocidad y venganza
Título: Título: 2.3 Guarani ñe'ë (guaraní indígena y guaraní español)
Título: 3. Los pueblos-reducciones de los Guaraníes
Título: Título: 3.1 Misión por reducción
Título: Título: 3.2 Pervivencias y transformaciones en la Reducción
Título: Título: 3.3 En el mundo de los símbolos
Título: 4. ¿Y después? Lo guaraní en el Paraguay
Título: Título: 4.1 El mundo guaraní indígena actual
Título: Título: 4.2 El mundo perdido de las Misiones jesuíticas
Título: Título: 4.3 El guaraní paraguayo
Título: 5. La redención del decirTítulo:

tulo: Parte 3
Título: TBibliografías
Título: Título: Bibliografía sobre Mundo Guaraní.
Título: Título: Aspectos antropológicos, sociológicos e históricos
Título: Título: Bibliografía sobre bilingüismo
Português | Español | English | Polski | Deutsch
R$ 262,00